Notícias

06.02.2018CNA atua para evitar bloqueio de exportação de gado vivo

CNA atua para evitar bloqueio de exportação de gado vivo

CNA atua para evitar bloqueio de exportação de gado vivo

 

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) quer impedir o bloqueio de novos embarques de gado vivo no país para evitar prejuízos aos pecuaristas brasileiros.

Nesta segunda (5), a Confederação protocolou pedido de assistência na Justiça Federal de São Paulo para fazer parte da ação que determinou na sexta (2) a suspensão das exportações de gado vivo em todo o território nacional.

Com a iniciativa, a CNA terá oportunidade de se manifestar e subsidiar tecnicamente as decisões do Poder Judiciário, defendendo a segurança jurídica de um setor que tem contribuído fortemente para a balança comercial e a recuperação econômica do País.

No domingo (4), o Tribunal Regional Federal da 3º Região (TRF-3) acatou liminar da Advocacia Geral da União (AGU) para liberar o embarque de um navio com animais vivos pelo Porto de Santos (SP) com destino à Turquia, principal comprador de gado vivo do Brasil. Contudo, como a liberação foi pontual, segue mantido o impedimento à exportação de animais vivos para abate no exterior em todo o território nacional.

A CNA valoriza a atuação da AGU e, para fortalecer essa ação, está trabalhando para que as exportações de gados vivos possam voltar à normalidade.

A Confederação entende que é inaceitável que todo o setor seja prejudicado por uma decisão que desconsidera o trabalho feito pelos auditores do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), órgão que regulamenta a exportação de animais vivos e que tem competência para assegurar a sanidade e bem-estar dos animais.

As exportações brasileiras de gados vivos, exceto reprodutores, cresceram mais de 40% em 2017 na comparação com 2016, atingindo receita de US$ 269,57 milhões, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC).

A eficiência do sistema sanitário e o compromisso com o bem-estar animal fizeram com que o país firmasse diversos protocolos com outros países.  A qualidade dos produtos do agro também fez do país destaque nas vendas externas de carne bovina in natura e material genético. Desta forma, a CNA reforça que todas estas conquistas não podem ser perdidas.

Hoje, a exportação de gado vivo é uma atividade consolidada mundialmente. México, União Europeia, Austrália e Canadá são grandes exportadores de gado vivo, atendendo principalmente mercados que têm restrições religiosas quanto ao abate dos animais.

No Brasil, a exportação de bovinos é regulamentada por uma série de atos normativos, que abordam os procedimentos básicos para a preparação de animais vivos para a exportação e passam por fiscalização dos auditores fiscais agropecuários do MAPA.

Quanto à preparação de animais vivos para a exportação, os aspectos relacionados ao bem-estar animal consideram as recomendações da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), demonstrando que o Brasil está em acordo com as normas sanitárias estabelecidas pela OIE para seus 181 países membros.

Tags:
 
Fonte: CNA

 

Outras notícias